Visite nosso site
CARREGANDO...
como funciona o fies
No items found.

Conquistar uma vaga no ensino superior é o sonho de muita gente que acredita no potencial do saber e na importância de um diploma de graduação para o mercado de trabalho. Pensando nisso, o governo desenvolveu programas a fim de facilitar o acesso de pessoas de baixa renda ao ensino privado. Portanto, vale a pena saber como funciona o FIES e se você se enquadra nas exigências estipuladas por ele.

O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) foi criado pelo Ministério da Educação (MEC) em 2004 e, desde então, ajuda milhões de jovens a pagar a universidade particular. Quer saber mais sobre o programa? Continue a leitura!

O que é o FIES?

Oferecendo um financiamento com juros baixos, o FIES consegue custear as mensalidades dos estudantes ao longo da graduação, e o pagamento por parte do aluno começa a ocorrer apenas ao final do curso. Desse modo, o projeto facilita o ingresso de jovens de baixo poder aquisitivo que não querem ou não conseguiram entrar em uma universidade pública.

As inscrições costumam abrir duas vezes por ano, uma no início do primeiro semestre e outra no início do segundo. Contudo, para participar do projeto, é necessário se encaixar nas exigências do programa. Mais adiante, vamos falar melhor sobre isso.

Como funciona o FIES?

A concessão do financiamento aos estudantes ocorre a partir de um processo de requerimento, período no qual são analisados os documentos comprovantes da situação financeira familiar. Depois que o benefício é concedido, o plano de financiamento é elaborado de acordo com a condição financeira do aluno e o valor da instituição. A partir disso, existem duas fases do FIES.

Durante o curso

Ao longo da graduação, o estudante precisa pagar um valor, que está no contrato, referente ao encargo operacional. Além disso, é necessário arcar com os custos de seguro de vida exigidos. Mas não se preocupe! Esse valor é cobrado apenas a cada três meses e não pode ser superior a R$ 150,00.

Carência e amortização

O projeto sofreu recentemente algumas mudanças, então o período de carência para pagar a dívida deixou de existir. Desse modo, após a formação, começa o período de amortização. Antes de 2018, os alunos continuavam pagando juros por mais um ano e meio, sendo considerado uma forma de equilíbrio financeiro, mas isso acabou.

Se o graduado tiver conseguido um emprego, as parcelas são descontadas automaticamente do salário, caso contrário, as parcelas devem ser pagas no valor mínimo da negociação.

Existem diferentes tipos de FIES?

O programa é desmembrado em três modalidades, cuja modalidade I é o FIES, enquanto as II e III são o P-FIES (Programa do Financiamento Estudantil). A primeira é oferecida pelo governo, já a segunda é ofertada por instituições financeiras, mas com recursos públicos. Entenda melhor a diferença entre ambas:

  • FIES (modalidade I) — a renda familiar mensal deve ser de até três salários mínimos, existe uma lista de espera e o pagamento tem juros zero;
  • P-FIES (modalidade II e III) — a renda familiar mensal deve ser de até cinco salários mínimos, não existe uma lista de espera e o pagamento tem juros que variam conforme o banco.

Em ambos os casos, o pagamento acontece após a conclusão do curso, lembrando que, apesar de ter juros, o P-FIES ainda é mais em conta que os outros tipos de financiamento oferecidos pelo mercado.

Quem pode se inscrever no FIES?

Para poder participar, você deve ter feito o Enem em algum momento a partir de 2010, obtendo, no mínimo, 450 pontos sem zerar a redação. Enquanto isso, a instituição de ensino na qual está inscrito deve ter uma avaliação positiva pelo MEC e ser parte do programa.

É necessário, ainda, não ter concluído um curso superior e contar com uma renda familiar de até três salários mínimos para participar do FIES e até cinco para o P-FIES. É importante destacar que, se quiser conseguir o benefício, o candidato precisa de um fiador. Outros requisitos são:

  • não ter a matrícula trancada;
  • não ter se beneficiado anteriormente com o FIES;
  • não ser beneficiário da bolsa integral do Programa Universidade para Todos (ProUni);
  • não ser beneficiário de bolsa parcial do ProUni em outro curso que não seja da inscrição do FIES;
  • não estar inadimplente com o Programa de Crédito Educativo.

De que maneira é feito o processo de seleção?

Após a abertura das inscrições, o candidato pode entrar no site oficial do FIES e fazer o seu cadastro conforme a vaga que está dentro do seu perfil. Durante o período de inscrição, é possível mudar de opção algumas vezes ao perceber a variação da nota de corte. Vale lembrar que ela é calculada de acordo com o número de vagas disponibilizadas e a nota dos candidatos no Enem.

Ao finalizar esse prazo, o FIES libera uma chamada única com o resultado dos candidatos beneficiados. Ainda assim, caso você não seja um deles, existe a inscrição automática na lista de espera para as vagas remanescentes.

As vagas remanescentes são liberadas por causa de candidatos que não estão inseridos nos pré-requisitos do programa ou apenas desistiram da contratação. Para acompanhar o seu resultado, acesse o site do programa, selecione a opção “Ver meu boletim de acompanhamento” e informe os seus dados do Enem.

Quais são os documentos necessários para a contratação do FIES?

Se já tiver sido aprovado no processo, deve separar os documentos exigidos pelo programa e encaminhá-los presencialmente à Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) — um departamento localizado nas instituições de ensino superior que fazem parceria com o FIES.

Dessa forma, a comissão é a responsável por acompanhar todo o processo de financiamento do estudante. Para dar início ao benefício, o aluno deve entregar a seguinte documentação.

Documentos do estudante

  • documento de identificação;
  • CPF;
  • comprovante de residência;
  • Documento de Regularidade de Inscrição (DRI) emitido na hora pela Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA);
  • termo de concessão ou atualização da bolsa parcial do ProUni, caso tenha.

Se for casado, deve apresentar também a certidão de casamento, o documento de identificação e o CPF do cônjuge.

Documentos do fiador

  • documento de identificação;
  • CPF;
  • comprovante de residência;
  • comprovante de rendimentos, ao menos que tenha fiança solidária.

Assim como no caso do estudante, se o fiador for casado, deve apresentar os documentos do cônjuge e a certidão de casamento.

Que vantagens podem ser obtidas ao optar pelo FIES?

Você já entendeu como funciona o FIES, mas será que vale a pena optar pelo financiamento estudantil para a realização de um curso de ensino superior? A fim de responder a essa pergunta, entenda as principais vantagens de contratar o programa federal.

Disponível para vários cursos

Os cursos participantes devem ser presenciais e ter conceito igual ou maior que 3 no Sinaes (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior). Além disso, a instituição de ensino deve ser aceita pelo programa.

Dessa forma, os requisitos exigidos abrangem uma grande gama de opções de curso superior. Por isso, quem opta pelo FIES pode escolher a profissão ideal para construir uma carreira bem-sucedida.

Prazo maior de pagamento

A forma como funciona o FIES permite que o prazo de pagamento do curso seja maior que o tempo de conclusão dele. Sendo assim, uma graduação com duração de quatro anos tem um prazo de até 12 anos para ser quitada por quem faz o financiamento.

Desse modo, o prazo maior de pagamento pode ser um atrativo para muitos, especialmente porque o programa exige que o estudante pague as parcelas apenas após conquistar o diploma de ensino superior. Portanto, o aluno já será um profissional qualificado e com uma boa colocação no mercado de trabalho quando precisar quitar as mensalidades.

Taxa de juros menor que outros financiamentos

Quando falamos sobre financiamento, é muito importante prestar atenção na taxa de juros. O FIES cobra uma taxa de apenas 3,4% ao ano para todos os cursos. Dessa forma, o programa do governo se torna mais atrativo do que outras opções, por exemplo, oferecidas por instituições bancárias.

Oportunidade para cursar graduações caras e disputadas

Alguns cursos de ensino superior são mais caros que outros, e isso muitas vezes limita as opções de quem não tem uma situação financeira tão confortável. Além disso, as vagas nas faculdades públicas são bastante disputadas. Portanto, o FIES funciona como uma forma de democratizar o acesso a diferentes graduações.

Por isso, o programa de financiamento do governo pode ser a solução para você se formar na profissão que sempre desejou, independentemente do valor da mensalidade ou da dificuldade em conquistar uma vaga nas instituições públicas.

Logo, se não tem condições de pagar todos os custos do curso almejado e precisa de uma ajuda financeira com uma pequena taxa de juros, vale a pena optar pelo financiamento estudantil. Afinal, o programa é uma ótima oportunidade para conquistar um diploma de ensino superior e se destacar no mercado de trabalho, conseguindo a oportunidade de construir uma carreira bem-sucedida na profissão de sua escolha.

Neste post, vimos como funciona o FIES e por que aderir a ele é uma ótima alternativa para quem não pode arcar com os custos das mensalidades durante os anos de graduação. Por isso, escolha sempre instituições de ensino superior que utilizem o programa do governo como meio de ingresso e aproveite.

Este conteúdo foi útil para você? Então, que tal compartilhar em suas redes sociais e ajudar outras pessoas que também precisam dessas informações para entrar na faculdade?

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR O ARQUIVO

Tags

No items found.
INSCREVA-SE PARA RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS

Receba as novidades em seu e-mail

Fique por dentro dos  eventos, notícias e conteúdos da Faculdade Arnaldo.

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.